Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Estava a ver que ia presa!

Saí da escola à hora de sempre e apanhei o mesmo autocarro de sempre. Durante o caminho venho meio pitosga pois é um momento de pausa e o sono (já disse que me levanto às 6.25 h?!?) e o cansaço começam a querer brincar comigo.

 

Quando estou a chegar ao terminal do meu autocarro, vejo vários autocarros em fila, outro em cima do passeio e polícia por todo o lado. Que coisa estranha...

É normal haver ali muitas operações stop e vemos polícias salpicados por todo o lado, colocados estrategicamente. Mas hoje, não foi assim.

 

Depois de sair daquele estado de letargia, começo a observar a cena: um grupo de polícias e um revisor, assaltavam os autocarros, abordando, essencalmente, quem ia sair. eu não estava a perceber mesmo nada. Depois vi um polícia estar de volta daquele autocarro que estava estacionado no passeio. Coisa nada normal. certamente houve porcaria.

 

O meu autocarro avança uns metros e volta a parar. É imediatamente abordado por vários polícias que se colocam estrategicamente no autocarro - um na porta da frente e outro na de trás, de forma a impedir a passagem - ao mesmo tempo que o revisor entra.

Foi-nos pedido para mostrarmos os nossos títulos de transporte - o que eu achei ser apenas um "pretexto" - e depois foi-nos autorizada a saída. Ao aproximar-me da porta, perguntei ao sr. agente "posso sair? já mostrei o meu passe..." e ele respondeu-me de forma simpática "força!".  Lá fui eu apanhar o outro autocarro que perdi e que me trazia até casa, super intrigada com aquilo que se estava a passar e de que não vi indício algum que me permitisse tirar qualquer conclusão...

 

Em suma, a polícia deveria estar à procura de algo ou de alguém, pois uma aparato assim nunca tinha sido visto por mim ali. Safei-me de ser engaiolada (lol) pois uma moçoila como eu, que não faz mal a uma mosca, é uma cumprideira da lei e os senhores policeménes sabem disso. Ainda não foi desta que fui conhecer os calabouços... {#emotions_dlg.blink}

 

Pescadinha de Rabo na Boca

                           

 

Diz o povo que “há dias que mais valia não sair de casa”. E como sempre, o povo tem razão. E ontem foi um dia desses. Pelo menos para mim.

 

Aqui na minha zona existe um clube caseiro que promove várias actividades recreativas e desportivas. E, ao que parece, as “mostras” das actividades foram todas marcadas para esta altura. Ou seja para o verão. E mais importante: para as horas de maior calor!!!

 

Saí eu de casa toda fresca e airosa para ir buscar a minha mãe, à casa de repouso onde a minha tia está, e ir lanchar. Chego a uma das ruas principais e só vejo polícia. O N. comenta comigo que deve ter havido martelada mas eu respondo-lhe que não me parece, que aquele policiamento deveria ser para controlar o trânsito para alguma corrida.

 

Ora nem mais! O senhor policeman manda-nos aguardar enquanto passam meia dúzia de corredores esfalfados. Seguimos caminho e fomos buscar a minha mãe. Eu estava a morrer de dores de cabeça (para variar!) mas entrei para dar um beijinho à minha tia e trazer a minha mãe. Rumámos a casa para irmos atacar um belo lanche (eu era mais café!) no café quando, ao chegarmos aqui à zona, apanhamos com o trânsito todo cortado. Excelente, lindo mesmo!

 

Dez minutos de espera. Meia dúzia de corredores passam, mais mortos que vivos devido ao calor que se fazia sentir às quatro da tarde. Uns apenas caminham porque a dor-de-burro aperta, outros já não podem com um gato pelo rabo.

 

Sinal para o trânsito avançar. Mas apenas encostados à direita. Cumprimos. Entretanto surge-nos a questão: e como viramos para a esquerda (que era por onde devíamos seguir)? Não viramos! O senhor policeman não deixa! Alternativa: dar a volta no sinal da bomba de gasolina. Lá fomos. Abre o sinal mas é impossível avançar… a faixa para onde temos de entrar está parada por ordem do senhor policeman!!! Continuamos a aguardar. E a assar!

 

Mais uma vez abre o sinal e o trânsito escoa. Nós seguimos na fila. Nova paragem. Decidimos cortar para outra rua na esperança de podermos safar-nos às paragens forçadas, indo em frente.

Argh! Nova paragem ordenada pelo senhor policeman! Esteve quase a dar-me 3 coisas más!

 

É que eu já nem fui ao café. Só queria mesmo ir para casa. É que, entretanto, eu tinha ido buscar um escadote e andava a passeá-lo estrada fora. O N. só dizia: espero que não impliquem com o escadote. Eu disse-lhe que se implicassem ainda ouviam duas ou três verdades. É que andava a percorrer as ruas todas por que me mandavam parar e queria ir para casa e não conseguia passar!!!

Numa hora fiz um trajecto que se faz num 1 minuto… Podiam ter avisado que o trânsito ia ficar condicionado, não?!